Blogs

" Precisamos praticar justiça dentro e fora de campo."

Ana Paula de Oliveira foi, sem dúvida, a assistente mais icônica do futebol brasileiro. Mas não parou por aí...

Por Péricles Bassols

Ana Paula como instrutora na CA CBF(yuotube.com)

Ana Paula como instrutora na CA CBF | yuotube.com

Como árbitro, tive o prazer de atuar com ela na função de quarto árbitro em uma partida no Maracanã, pela série A, quando eu estava no início da minha carreira. 
Depois de passar por diversos cargos e funções na comissão de arbitragem da CBF, Ana assumiu a presidência da comissão de arbitragem de São Paulo, estado que tem a maior federação do país.

Ana Paula assumiu a CA São Paulo/gazetaesportiva.com

Em um bate papo, ela me explicou como foi a transição entre as carreiras, afirmando que sua experiência nos campos junto com a formação técnica foram essenciais para chegar na atual posição, uma vez que  possibilitaram ter um panorama geral do departamento de arbitragem e uma visão clara do papel do árbitro no contexto do futebol.  
Quanto às críticas inerentes a sua atual função, Ana afirma que a melhor maneira de lidar é trabalhando e estudando muito e que o segredo está na entrega de resultados. "Gestão de arbitragem é um produto novo no mercado, assim como gestão de futebol. Estamos evoluindo de forma conjunta e continua." 
Sobre ter uma mulher liderando um departamento importante como a arbitragem, a dirigente entende que, por se tratar de algo novo, gera especulações positivas e contraditórias, sendo essencial demonstrar qualidade e competência na execução do trabalho - assim como aconteceu nos gramados - para que o futebol se adapte, aceite e principalmente respeite, o que, segundo ela, é uma questão de tempo, oportunidade e trabalho.
No que se refere às inovações a serem implementadas na sua gestão, a ex bandeirinha afirma que o seu objetivo é uma gestão mais humana e próxima dos árbitros e que está investindo pesado no feedback pós-jogo com recursos de imagens, conforme realizado em torneios da CONMEBOL e da FIFA: "O árbitro recebe 24h depois da sua partida uma seleção de vídeos de pontos positivos e pontos a aprimorar, desta forma atuando diretamente no crescimento do profissional de um jogo para outro – aprimoramento contínuo."
Além disso, a gestora desenvolveu um programa chamado de" jornada técnica regional" para o quadro básico, com o intuito de levar o mesmo conteúdo apresentado aos árbitros de elite em pré-temporada para todos os árbitros do quadro paulista. 
Considerando todo o histórico de competência dentro das instituições nas quais trabalhou, é provável que, apesar de já ocupar um dos grandes cargos na arbitragem brasileira, este não seja o último degrau da ex bandeirinha.

Comentários