Blogs

Chelsea x Liverpool: uma rivalidade pode nascer nos Anos 2000

O futebol é dinâmico e permite que haja uma modificação das forças. Até o meio da década passada, quem chamasse Chelsea x Liverpool de uma grande rivalidade seria rotulado como maluco. Atualmente, é uma das maiores do futebol inglês. E europeu também

O 'gol fantasma' de Luís Garcia pode ser o marco dessa neo-rivalidade entre Chelsea e Liverpool(� ALAN WALTER)

O 'gol fantasma' de Luís Garcia pode ser o marco dessa neo-rivalidade entre Chelsea e Liverpool | � ALAN WALTER

Última rodada do Campeonato Inglês da temporada 1985-86. O Liverpool viajou até Londres para enfrentar o Chelsea precisando vencer para ser campeão em cima do rival Everton. O atacante Kenny Dalglish, de voleio, fez o gol salvador, aos 23 minutos do primeiro tempo, dando mais um título inglês para os Reds. Ao fim do jogo, o sistema de som de Stamford Bridge colocou a música “We Are The Champions”, do Queen, para saudar a conquista do adversário, aumentando ainda mais a comemoração da torcida visitante.

Em 2003, no mesmo Stamford Bridge, o Chelsea venceu os Reds por 2 a 1, ficando com a última vaga inglesa para a Champions League da temporada seguinte e enviando o próprio Liverpool para a Copa da Uefa. Ao fim do jogo, os torcedores do Liverpool aplaudiram de forma efusiva o meia-atacante italiano Gianfranco Zola, que estava se despedindo dos Blues.

São dois exemplos de como a história de Chelsea e Liverpool sempre foi baseada no respeito mútuo ao longo dos anos. Não que fossem clubes “irmãos”, mas as circunstâncias nunca os colocaram em uma rivalidade explosiva. Até o bilionário Roman Abramovich comprar o Chelsea em meados daquele 2003 e transformar o clube do sul de Londres, quase que imediatamente, em uma potência inglesa e, depois, europeia . Aí o cenário mudou e vimos nascer uma grande rivalidade deste século.

Da temporada 2004-05 até a 2008-09, Chelsea e Liverpool se enfrentaram nada menos do que dez vezes em cinco Champions Leagues seguidas, sendo oito duelos valendo seguir vivo para um e eliminação para o outro. O Esporte Interativo mostra nesta terça-feira, a partir de 16h, na TNT e no Facebook do EI o último desses duelos, o estonteante 4 a 4 disputado em Stamford Bridge, que valeu vaga na semifinal da Champions de 2009.

Com o Chelsea se tornando um time fortíssimo com o investimento de Abramovich e o Liverpool conseguindo formar uma equipe muito competitiva comandado por Rafa Benítez, mesmo sem o número de estrelas que tinha o Chelsea, quis o destino que eles se cruzassem constantemente no maior torneio de clubes do mundo. Sempre com muita emoção e/ou polêmica.

A começar pelo duelo na semifinal de 2005, quando o gol do espanhol Luís Garcia até hoje é chamado de “gol fantasma” pela torcida e pelo técnico José Mourinho. Após o 0 a 0 em Stamford Bridge, o Luís Garcia atacou a sobra de um lance envolvendo os dois tchecos, Petr Cech e Milan Baros, para finalizar para o gol. O zagueiro Gallas se esticou todo para tirar a bola. Nenhuma imagem conclusiva de que a bola entrou inteiramente apareceu desde aquele tempo. Mas o bandeira e o árbitro deram o gol e o Liverpool avançou para a decisão e para protagonizar o “Milagre de Istambul”.

Na temporada seguinte, o Liverpool teve que começar a Champions nas fases eliminatórias, pois não conseguiu ficar entre os quatro primeiros da Premier League. Por isso, acabou com o rótulo de “não inglês” no sorteio e as bolinhas quiseram que o atual campeão reencontrasse o Chelsea na fase de grupos. Os dois jogos ficaram no 0 a 0, mas foram muito disputados e brigados, em especial por uma entrada gravíssima de Essien em Hamman.


Os “novos rivais” voltaram a duelar em uma semifinal da Champions na temporada 2006-07. Muito equilíbrio e igualdade e de novo José Mourinho teve que amargar o seu Chelsea eliminado. No jogo de ida, em Londres, o Chelsea venceu por 1 a 0, com gol de Joe Cole. Na partida de volta, o zagueiro Daniel Agger devolveu o placar e a partida foi decidida nos pênaltis, após 0 a 0 no tempo extra. Robben e Geremi perderam para o Chelsea e Kuyt cobrou o pênalti decisivo, que classificou o Liverpool para outra final de Champions.

Semifinal de Champions entre Chelsea e Liverpool tinha virado tradição e eles se reencontraram em 2007-08. Mas desta vez os Blues levaram a melhor, mas com muita emoção. O Liverpool ganhava o primeiro jogo (gol de Kuyt) até os 49 do segundo tempo, quando Riise marcou um gol contra bizarro e decretou o 1 a 1. Na partida de volta, em Londres, Drogba ia classificando o Chelsea, mas Fernando Torres, em grande fase, forçou a prorrogação. No tempo extra, Lampard, de pênalti, e um inspiradíssimo Drogba fizeram o 3 a 2 que classificou o Chelsea para sua primeira final da Champions.

Fechando essa série histórica de duelos entre Chelsea e Liverpool, eles mediram forças nas quartas-de-final da temporada 2008-09. O Chelsea começou a temporada com o brasileiro Felipão no comando, mas ele foi demitido em fevereiro e Guus Hiddink assumiu e montou um time fortíssimo. Tanto que os Blues venceram o jogo de ida em Anfield por 3 a 1, de virada. Na partida de volta, o Liverpool flertou com o impossível, o que torna o jogo que o Esporte Interativo mostra nesta teça ainda mais imperdível.

A rivalidade que se criou entre Chelsea e Liverpool também tem componentes internos. Como a vitória do Liverpool por 2 a 0 em janeiro de 2007 (primeiro jogo da história da TV Esporte Interativo!), que foi a única derrota do Chelsea nos últimos 26 jogos daquele Campeonato Inglês e que contribuiu para a equipe de Londres perder o título para o Manchester United.

Como esquecer o escorregão do ídolo Steven Gerrard na frente do contestado Demba Ba naquele fantástico campeonato do Liverpool na temporada 2013-14? Demba Ba arrancou e marcou o gol que colocou o Chelsea na frente aos 48 do primeiro tempo (o jogo terminou 2 a 0). Essa derrota, na 36ª rodada, custou ao Liverpool o título inglês, perdido para o Manchester City por dois pontos.

O capitão Gerrard também é um personagem importante dessa rivalidade, já que em 2005, em meia a uma turbulenta renovação de contrato com o Liverpool, após o Milagre de Instambul, o Chelsea estrategicamente ofereceu uma gigantesca proposta ao Camisa 8. Segundo o próprio Gerrard em depoimento ao site “The Athletic”, ele esteve próximo de aceitar a proposta dos Blues, mas se acertou com a direção dos Reds e decidiu ficar. Essa tentativa foi muito mal vista pela direção do Liverpool e, principalmente, pelos seus torcedores.

O futebol é dinâmico e permite que haja uma modificação das forças. Até o meio da década passada, quem chamasse Chelsea x Liverpool de uma grande rivalidade seria rotulado como maluco. Atualmente, é uma das maiores do futebol inglês. E europeu também.

Comentários