Blogs

Em que mundo vive o prefeito do Rio de Janeiro?

Vários países que controlaram a crise do Coronavírus nem cogitam jogar futebol com público, mas o prefeito do Rio de Janeiro quer até 20 mil pessoa no Maracanã em julho

Marcelo Crivella e Rubens Lopes, presidente da federação do RJ, forçam a volta do futebol(Divulgação / Ferj)

Marcelo Crivella e Rubens Lopes, presidente da federação do RJ, forçam a volta do futebol | Divulgação / Ferj

Vários países do mundo se preparam para retomar o futebol no mês de junho, após começarem, aos poucos, a retomar a normalidade no cotidiano da sociedade, com o controle da pandemia de Coronavírus. Já havia voltado na Alemanha e na Coréia do Sul e voltará agora em Portugal, no Japão, na Espanha, na Inglaterra e na Itália. Em todos esses lugares uma característica é comum: não se cogitou realizar jogos com presença de público, todos os jogos são e serão com portões fechados.

Enquanto isso, no Brasil, autoridades dos três níveis de governo, bem como de alguns dos principais clubes do país, claramente forçam a barra para retomar o futebol, dando de ombros para o gravíssimo quadro da crise de Coronavírus no país, em especial nas grandes capitais. Mas na capital fluminense a situação beira a loucura: a prefeitura pretende realizar jogos em julho com portões abertos!

Segundo os planos anunciado pela prefeitura do Rio de Janeiro nesta segunda-feira, a fase 3 do plano de flexibilização do isolamento social na cidade prevê que jogos de futebol possam ser realizados com público a partir de julho (dependendo da evolução da crise sanitária na cidade). O público seria limitado a 30% da capacidade de cada estádio, que pode resultar em mais de 20 mil pessoas em partidas realizadas no Maracanã.

É difícil acreditar que um prefeito seja tão irresponsável como Marcelo Crivella está sendo nessa questão. Ainda mais em uma cidade com 91% de ocupação de leitos para Covid-19 e 75% de ocupação das enfermarias, em que a população nunca respeitou de verdade o isolamento e onde as curvas de contágio, o número de casos e de mortes por Coronavírus só aumentam. Beira o inacreditável para qualquer pessoa razoável.

Em vários países em que há o controle da crise do Coronavírus só projetam permitir aglomerações como em um jogo de futebol ou um show de música após haver uma vacina aprovada. No Rio de Janeiro, onde o pico do contágio está sempre por vir, o prefeito que fazer jogos de futebol com público daqui a um mês. Em que mundo vive Marcelo Crivella?

Comentários