Blogs

'Jogador que não quiser jogar, pede demissão', diz presidente do Inter sobre volta do futebol

Após declaração polêmica, Marcelo Medeiros pediu desculpas pelo 'mal-entendido' 

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Marcelo Medeiros, presidente do Inter((Foto: Divulgação/Internacional))

Marcelo Medeiros, presidente do Inter | (Foto: Divulgação/Internacional)

A prefeitura de Porto Alegre liberou, e o Internacional já se movimenta para voltar aos treinos. Em entrevista à Rádio Guaíba, na última sexta-feira (1), o presidente Marcelo Medeiros falou sobre os planos do Colorado para voltar às atividades na segunda (4). A expectativa é que os jogadores se apresentem na terça (5), quando passarão por exames médicos e testagem para o novo coronavírus. 

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

"O Internacional já está com o kit dos testes. Primeiro vamos fazer o diagnóstico clínico dos jogadores, em especial em relação ao contágio. Todos estão em isolamento com os familiares há 45 dias. Nenhum apresentou sintoma, todos seguiram planilha de treinamentos, inclusive saiu matérias dos trabalhos físicos. Alguns até adquiriram equipamentos para fazer as suas atividades. Os profissionais que farão a simulação e o departamento de futebol já foram todos testados ", disse.

Durante a entrevista, uma declaração do mandatário colorado repercutiu bastante. Questionado sobre a possibilidade de algum atleta se sentir desconfortável a voltar a trabalhar no CT Parque Gigante, Marcelo Medeiros sugeriu um 'pedido de demissão'. 

"O jogador que não quiser jogar, pede demissão. Se for aberta a possibilidade do futebol voltar, ele vai cumprir o contrato que ele assinou", completou.

Diante da repercussão da declaração, Marcelo Medeiros usou o Twitter para pedir desculpas pelo 'mal-entendido'. O presidente destacou que o Internacional sempre seguiu as recomendações dos órgãos de saúde e que não tomará qualquer atitude que coloque a vida dos funcionários em risco. 

 

 
Comentários