Blogs

Neymar será o mais caro para sempre?

As circunstâncias da contratação de Neymar pelo PSG somada a crise do Coronavírus nos leva a projetar que nenhum jogador será vendido por mais do que os 222 milhões de euros pagos ao Barcelona

A Qatar Sports Investiment pagou 222 milhões de euros e tirou Neymar do Barça

A Qatar Sports Investiment pagou 222 milhões de euros e tirou Neymar do Barça

O pagamento da cláusula de rescisão do contato de Neymar com o Barcelona, feita pelo PSG no meio de 2017, mudou a história das negociações do futebol. Para o bem e para o mal. Após o boom do negócio, seguido por várias transferências acima de 105 milhões de euros (até então o recorde, na ida de Pogba para o United), já surgiram reações de vários tipos, seja por declarações de que a coisa estava fungindo do limte ou pela cobrança por um endurecimento de regras do fair play financeiro. Naquele momento, já era possível imaginar que iria demorar muito até algum jogador ameaçar o valor pago por Neymar. Até que veio a pandemia do Coronavírus.

A paralisação do mundo como forma de evitar a explosão de contágio do Coronavírus gerou perdas bilionárias, inclusive, logicamente, no futebol. E estamos só no início dessa crise. Os principais especialistas em negócios envolvendo o futebol já projetam que as cifras envolvendo o esporte vão cair drasticamente. Seja em direito de transmissão (provavelmente muitos precisarão ser renegociados, claro, que para baixo), no salário de todos que fazem parte do jogo e também nos valores investidos para contratar os talentos.

A contratação de Neymar, feita em um cenário em que a Qatar Sports Investment, dona do PSG, praticamente brinca de dinheiro infinito (só não é mais por conta do Fair Play Financeiro) no clube, já era difícil de ser batida em um cenário, digamos, “sustentável” (talvez pudesse ser equiparada ou superada por outro clubes com “dinheiro infinito”). Após a readequação da quantidade de dinheiro circulando no futebol, é certo de que vai demorar muito para alguém chegar em valores próximos a esses 222 milhões de euros. Se é que alguém chegará.

Antes da contratação de Cristiano Ronaldo pelo Real Madrid, no meio de 2009, a maior contratação da história era de Zinedine Zidane, também pelo clube da capital espanhola, mas em 2001. Ou seja, no início da década passada, sem nenhuma pandemia que afetou os mercados do mundo inteiro, demoraram oito anos para haver um novo recorde. Depois, esse espaço de tempo ficou bem menor: Bale, em 2013, Pogba, em 2016, e Neymar, em 2017, graças à explosão dos valores de direitos de transmissão ao redor do planeta.

Agora, a análise é que haverá um gigantesco “freio de arrumação” nessas crifras. Alguns especialistas já projetam que os valores de transferências voltarão para meadas da década passada. A sensação é: “quem aproveitou, aproveitou”. Alguns clubes na Europa e muitos no Brasil estavam vivendo a base de grandes negociações de jovens, aproveitando o boom da contratação de Neymar. Esses já estão lamentando muito por negócios não realizados. O cenário já mudou.

Aquela lista de transferências mais caras da história do futebol, que a cada janela europeia eram atualizadas constantemente nas redações dos principais veículos de comunicação do mundo, deve ficar por muito tempo sem precisar ser mexida. E com Neymar e os 222 milhões de euros lá no topo. Talvez, para sempre...

Comentários