Blogs

O Bahia que orgulha o Brasil

Clube dá aula de como respeitar a própria história, se posicionando e encarando de frente temas delicados e urgentes para todos nós

Por Bruno Formiga

Bahia criou camisa para falar sobre o derramamento de petróleo na costa do Nordeste(Divulgação)

Bahia criou camisa para falar sobre o derramamento de petróleo na costa do Nordeste | Divulgação

O Bahia é gigante. Não só pelos títulos, pela torcida, pela tradição e pela história.

O Bahia é gigante porque sabe o seu tamanho. E o seu papel.

Desde 2018, o clube conta com o Núcleo de Ações Afirmativas, departamento criado exclusivamente para pensar e desenvolver iniciativas que posicionem o Tricolor em assuntos delicados e urgentes.

De lá pra cá o Bahia já marcou território em temas como preconceito religioso, terras indígenas, violência contra a mulher e homofobia. Na ação mais recente, pôs manchas de óleo no uniforme para alertar sobre a misteriosa poluição nas praias do Nordeste (a camisas serão leiloadas e o dinheiro doado para a limpeza do litoral).

Em um Brasil tão marcado por intolerância, autoritarismo e falta de diálogo, defender causas que deveriam ser de interesse da sociedade como um todo acabou colocando o Bahia em uma posição única por aqui.

O que o clube tem feito não agrada a todos, é verdade. Há quem olhe para a postura do Bahia como um “esquerdismo” que a instituição deveria evitar. Só que é preciso lembrar: Ter empatia e defender minorias não tem lado. É uma questão de caráter.

Além disso, o Bahia está apenas olhando para a própria biografia e o próprio povo. É o clube mais popular do Estado mais negro do Brasil, por exemplo. E como um clube popular, tem torcedores de todos os jeitos e de todos os tipos. Torcedores que representam uma parcela social que merece respeito e que merece ter sua voz ouvida em alto em bom som.

Não há megafone melhor que um time grande.

Um clube de futebol nasce como parte de uma comunidade. Cresce com e através dela. E nunca poderia esquecer sua origem.

O Bahia se lembra de quem ele é.

Ainda bem.

  • Blog do Formiga
Comentários