Blogs

O dia em que quase joguei um recém-nascido pro alto

Santos e Flamengo fizeram um jogo épico naquele 27 de julho de 2011. Minha filha tinha menos de dois meses. E escapou por pouco.

Por Bruno Formiga

O dia em que quase joguei um recém-nascido pro alto

O dia em que quase joguei um recém-nascido pro alto

Sarah nasceu no dia 2 de junho de 2011. E 55 dias depois estava no meu colo, no sofá de casa, dormindo o sono dos justos. Já era tarde pra ela, diga-se. Mas era uma recém-nascida agitada. Acordava toda hora. Minha mulher estava um caco. E precisava de descanso. Foi ai que entrei - o que não era mais que obrigação.

Renata foi deitar e Sarah veio pra mim. Os jogadores aqueciam na Vila Belmiro para Santos e Flamengo. Expectativa grande para o encontro de dois estilos parecidos e, principalmente, de Neymar com Ronaldinho.

Santos e Flamengo estavam bem na temporada. 

Som quase no mudo e repertório da Galinha Pintadinha lá em cima. Canta daqui, canta dali. Sarah foi dormindo de novo. Ferrando (e cerrando os olhos) aos poucos. Beeeem aos poucos.

O árbitro apitou. Bola em jogo.

E ela em risco.

A partida já começou em um ritmo maluco. Muitas chances, muitos lances.  E muitos gols. Um logo aos quatro e outro aos 16 minutos. Aos 26 uma obra-prima de Neymar, fazendo 3x0 para o Santos. Eu não acreditava no que tava vendo. 

É preciso dizer que o jogo foi histórico, lindo, maravilhoso. Mas também cheio de erros.

Um deles de Elano, batendo pênalti de cavadinha no peito de Felipe;

Aquilo poderia ter matado o Flamengo. 

Mas foi a deixa para uma reação louca e improvável. 

Àquela altura estava 3x2. E pouco depois da cobrança ridícula veio o empate rubro-negro.

Seis gols no primeiro tempo e muitos momentos impressionantes! Sarah sacudia no meu colo. Mas o balanço fazia com que ela seguisse dormindo. Parecia estar em um carro, trepidando no asfalto. 

Veio o segundo tempo. Mais loucura.

Renata seguia deitada. E eu com a Sarah no colo.

Santos e Flamengo seguiam errando muito e acertando demais na Vila. 

Mais golaços, mais lances incríveis. 

E a virada do Flamengo, com Ronaldinho metendo dois. Um de falta e um em contra-ataque.

Nessa hora eu levantei do sofá. Por meio segundo esqueci que a Sarah tava no meu colo. O movimento foi quase automático. E nessa hora o braço vai junto. Vai pra cima!

Ainda bem que o instinto me salvou. E salvou a Sarah.

Ela chegou a descolar uns centímetros do colo. Mas contive a emoção. E a minha filha, sã e salva. 

O jogo acabou. Entrou pra história. E eu escapei de uma tragédia. kkkkkkkkk

Comentários