Blogs

Os cinco duelos entre Messi e CR na Champions

Messi e Cristiano Ronaldo protagonizam a maior rivalidade esportiva entre dois atletas neste século. Mas se enfrentaram pouco no maior torneio, a Liga dos Campeões. Vamos relembrar como foram esses duelos.

GettyImages

GettyImages

A maior rivalidade esportiva entre dois atletas deste século. Messi x Cristiano Ronaldo. Os dois fantásticos jogadores que “privatizaram” os prêmios de Melhor do Mundo por mais de dez anos (o prêmio que Modric ganhou, convenhamos, quem merecia era o português, mas isso é tema para outro post...). Mas que em todo esse período se enfrentaram poucas vezes no maior torneio, a Liga dos Campeões. No total, são apenas cinco duelos entre eles, mesmo com Real Madrid e Barcelona ganhando sete das 12 edições realizadas desde 2008.

O Esporte Interativo te mostra um desses duelos entre Messi e Cristiano Ronaldo na Champions League nesta terça-feira, na TNT e no Facebook do EI. E logo o mais importante deles: a decisão da Champions de 2009, no Estádio Olímpico de Roma, entre Barcelona e Manchester United. A exibição começa às 16h para você matar a saudade do maior torneio de clubes do mundo.

Os dois primeiros duelos entre Messi e Cristiano Ronaldo foram na semifinal da Champions League da temporada 2007-2008. O Manchester United de CR7 vivendo uma grande fase contra o Barcelona na última temporada de Frank Rijkaard no comando. Era um Barça muito confuso, um time que era um meio-de-caminho entre a equipe campeã da Champions em 2006 e a base que viria brilhar no ano seguinte na mão de Guardiola. E que não teria Ronaldinho Gaúcho, com uma grave lesão muscular na coxa esquerda.

No primeiro jogo, no Camp Nou, Cristiano Ronaldo fez um grande primeiro tempo, criando as principais jogadas e chances do United, cavando cartões para a defesa do Barça. Mas ele ficou marcado por um pênalti perdido, na trave. Na etapa final, o Barça melhorou, Messi criou a melhor chance dando um passe para Eto’o, que errou a devolução. Henry finalizou duas vezes com perigo, mas o jogo terminou mesmo 0 a 0. O argentino, sentindo dores, foi substituído por Bojan aos 15 minutos do segundo tempo.

A partida de volta, em Old Trafford, foi decidida logo aos 14 minutos do primeiro tempo, com um gol de Paul Scholes, chutando firme da entrada da área, após uma jogada em que Cristiano Ronaldo arranca e Zambrotta corta a bola no pé do volante inglês. Logo depois, Messi fez uma grande jogada, passando por vários defensores conduzindo a bola desde o meio-campo, com a batida chapada característica e exigindo uma grande defesa da Van der Sar. O Barcelona pressionou até o fim pelo gol fora de casa que lhe daria a vaga na final, mas quem passou foi mesmo o United.

Na temporada seguinte, Messi e Cristiano Ronaldo mediram forças no maior jogo de futebol entre clubes no mundo: a decisão da Liga dos Campeões. Era a primeira temporada do Barcelona sob o comando do ídolo Pep Guardiola. O United brigava para ser o primeiro time a ganhar dois títulos seguidos da Champions desde o Milan em 1990. E o atual campeão começou muito bem, tendo três oportunidades de gol, sempre com participação de Cristiano Ronaldo, primeiro em uma cobrança de falta perigosa e depois num chute que passou raspando. Mas quem marcou foi o Barcelona: após uma metida de bola de Iniesta, Eto’o deu um traço em Vidic e chutou de bico para marcar. O Barcelona soube administrar a vantagem e aumentou no segundo tempo com Messi se esticando todo para cabecear, entre Ferdinand e Vidic, e vencer Van der Sar. Messi campeão no último jogo de Cristiano Ronaldo com a camisa dos Red Devils.

Os dois últimos duelos entre Cristiano Ronaldo e Messi dentro da Champions League foram no Clássico Real Madrid x Barcelona. Mais uma vez em uma semifinal, na temporada 2010/2011. Era a primeira com José Mourinho no Santiago Bernabéu, contra o que para muitos (inclusive eu!) foi o auge do Barcelona da Era Guardiola. Mourinho, que havia levado 5 a 0 ao tentar encarar de frente aquele Barça num jogo do Espanhol, sabia que precisava usar muito o jogo físico para igualar as coisas.

E estava dando muito certo na primeira partida, em Madri, com o Real conseguindo neutralizar o adversário e ainda ter algumas chances. Até que em uma jogada no segundo tempo, Pepe exagerou na dose numa entrada duríssima em Daniel Alves e foi expulso (na minha visão, corretamente). Foi o que Messi precisava para brilhar dentro da casa do Real. Jogando como “Falso 9”, ele abriu o placar escorando o cruzamento de Afellay na pequena área. Logo depois, marcou um gol antológico: “roubou” a bola de Busquets no meio-campo e arrancou ao seu estilo. Passou por Lass Diarra, Sergio Ramos, Albiol e bateu cruzado antes de Marcelo chegar. Um golaço, que fechou uma vitória histórica. Cristiano Ronaldo assistia tudo, sem ter muito o que fazer.

No jogo da volta, no Camp Nou, o Barcelona poderia ter matado o jogo no primeiro tempo, desperdiçando pelo menos quatro chances claras de gol, duas com Messi, em grandes defesas de Casillas. Aos 9 minutos do segundo tempo, Iniesta deu um grande passe na área para Pedro marcar, mas dez minutos depois, Marcelo empatou, após assistência de Di Maria. O Real ainda teve algumas chances, mesmo com Cristiano Ronaldo apagado, mas o empate garantiu o Barcelona em mais uma final da Champions, onde ganharia do Manchester United novamente.

No geral, em cinco jogos contra Cristiano Ronaldo na Champions, Messi tem duas vitórias, dois empates e uma derrota, com três gols marcados. O português, logicamente, tem uma vitória, dois empates e duas derrotas, sem conseguir balançar a rede. Será que ainda veremos Cristiano Ronaldo x Messi na Champions?

Comentários