Blogs

Um problema chamado #PaulistinhaDay

Em 2018, presidente do Palmeiras minimizou a perda do Estadual e rotulou o campeonato como Paulistinha. A questão é: e quando o clube voltar a ganhar o torneio?

Por Bruno Formiga

Corinthians foi campeão no estádio do Palmeiras(Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians)

Corinthians foi campeão no estádio do Palmeiras | Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

O Palmeiras perdeu o Campeonato Paulista de 2018 para o Corinthians. O título escapou diante do maior rival e diante do seu torcedor. Um impacto duplo, amplificado por reclamações fortes contra a arbitragem. 

Depois da partida, o presidente Maurício Galiotte deu um recado marcante: "Eu digo ao torcedor palmeirense: esqueçam esse campeonato. O Palmeiras é muito maior do que um Paulistinha. O Palmeiras é maior do que tudo isso".

Declaração de torcedor para torcedor. E que encontrou eco na arqubancada.

No mesmo ano, o Palmeiras venceu o Brasileirão, bateu na trave na Copa do Brasil e também na Libertadores. Uma grande temporada para o time. 

Mas a expressão estava criada. Um problema também.

Mesmo que de lá pra cá a diretoria do Palmeiras tenha se entendido com a federação paulista e declarado trégua, a mensagem ficou. E pode ser usada contra em algum momento.

O Palmeiras não vence o Paulista desde 2008. São 12 anos sem ganhar no seu próprio quintal. E por mais que estaduais tenham perdido força e o clube tenha grana e time para conquistar títulos maiores, assistir a dominância de rivais como Santos e Corinthians é frustrante.

No fundo, a disputa não é pelo Estadual em si. É por superioridade direta contra aqueles que incomodam. É evitar a zoação da segunda-feira. 

E ao rotular o torneio como Paulistinha, o presidente do Palmeiras virou refém. Se não ganhar, pode seguir minimizando o tamanho da perda (mas precisa aturar algum outro grande tirando onda e contando o jejum). Se ganhar, talvez não consiga comemorar, já que, se "o Palmeiras é maior do que tudo isso", do que adianta celebrar? Seria não mais do que 'obrigação'.

Comentários