Futebol Brasileiro

Alexandre Mattos diz que meme do 'Palmeiras não tem Mundial' é 'palhaçada'

Ex-diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos afirmou ser ainda mais difícil a conquista do Palmeiras na Copa Rio de 1951, quando bateu a Juventus, da Itália, do que qualquer conquista recente de um Mundial

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Alexandre Mattos ficou de 2015 a 2019 no Palmeiras, vencendo dois Brasileiros e uma Copa do Brasil(Cesar Greco / Ag. Palmeiras)

Alexandre Mattos ficou de 2015 a 2019 no Palmeiras, vencendo dois Brasileiros e uma Copa do Brasil | Cesar Greco / Ag. Palmeiras

O ex-diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, foi incisivo ao dizer que é "uma palhaçada" dizer que o Verdão não tem Mundial. O clube reivindica como título equivalente ao Mundial de Clubes a Copa Rio de 1951, em que o Alviverde ganhou da Juventus, da Itália.

"Eu escutei da boca do vice-presidente do Palmeiras, o Paulo Buosi. 'Mudou tanto o patamar que até as gozações mudaram'. Quando eu cheguei em 2015 era negócio de bi-rebaixado e depois mudou para esse negócio do Mundial, que é uma palhaçada. O Palmeiras tem o mais difícil de todos. Ganhar hoje tem tecnologia, vai ganhar em 1951... É difícil. O Palmeiras começou a história do futebol brasileiro ganhando aquele título. O Palmeiras é campeão mundial. Não tem nada pra falar e vai ficar brincando com isso. O palmeirense sente aqui dentro e acabou, não tem essa história", afirmou Mattos à 'Fox Sports'.

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

Mattos, que ficou quatro no Palmeiras, entre 2015 e 2019, garante que se sente um torcedor do Verdão. Ajudando na construção de elencos, o diretor venceu a Copa do Brasil de 2015 e os Campeonatos Brasileiros de 2016 - encerrando um jejum de 22 anos - e 2018.

"É um lugar que fui extremamente feliz. O futuro sempre pertence a Deus. É um lugar que eu adoro, um lugar que tenho uma empatia minha muita forte, principalmente com o torcedor. Muita gente perguntava como suportava o linchamento que estavam fazendo. Primeiro, pela família, claro. Principalmente a esposa foi guerreira, tentaram intimidar. Ficou para trás, não tenho mágoa. Tive quase 900 mensagens quando vazaram meu telefone. O advogado falou para ver o que tinha de ameaça. Dei meu telefone para um funcionário, ele me chamou dois dias depois e falou que 91,8% era de apoio... Uma minoria que fez essa situação. Aquilo me comoveu bastante. Hoje posso dizer que torço pelo Palmeiras, fico feliz com tudo o que está acontecendo. O futuro a Deus pertence. Hoje tenho um caminho muito honroso e feliz aqui no Atlético", finalizou.

 
Walter Feldman diz que futebol brasileiro não tem prazo para voltar
Comentários