Futebol Brasileiro

Crise financeira: Vasco demite mais de 50 funcionários nesta segunda

Clube não conseguiu preservar empregos e nem cumprir acordos durante a pandemia

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Presidente do Vasco, Alexandre Campello, em coletiva de imprensa(Rafael Ribeiro / Vasco)

Presidente do Vasco, Alexandre Campello, em coletiva de imprensa | Rafael Ribeiro / Vasco

A pandemia do novo coronavírus, que culminou na paralisação do futebol no mundo, obrigou o Vasco a tomar uma medida drástica nesta segunda-feira (11). O clube, sem conseguir preservar empregos neste momento, vai demitir mais de 50 funcionários. A informação inicial do jornalista Lucas Pedrosa foi confirmada pelo Esporte Interativo nesta manhã. No início da noite, o Cruz-Maltino soltou um cominucado para oficializar a decisão.

O Cruz-Maltino, no final de abril, havia anunciado a suspensão, por dois meses, de 60 contratos na instituição, e queria evitar as demissões, mas não conseguiu. No acordo, os colaboradores demitidos receberão, de forma parcelada, os salários atrasados e a verba rescisória. A primeira parcela será paga no ato da demissão.

O Vasco não é o primeiro a demitir funcionários devido à crise mundial na saúde. No Rio de Janeiro, por exemplo, entre os quatro grandes, apenas o Fluminense não tomou tal decisão. Times como Internacional e Corinthians também mandaram embora alguns empregados. Outra medida adotada por várias equipes foi a redução salarial, que também chegou a jogadores.

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

Confira a nota oficial do Vasco:

"O Club de Regatas Vasco da Gama comunica que, em face dos desafios econômicos agravados com a crise do novo coronavírus, precisou readequar o seu quadro de colaboradores.

Em um primeiro momento, no intuito de salvaguardar empregos, a Diretoria Administrativa optou por reduzir os vencimentos de alguns funcionários e suspender temporariamente o contrato de trabalho de outros, com base na Medida Provisória 936/2020, publicada no dia 1/04/2020. Lamentavelmente, diante das circunstâncias, foi preciso tomar medidas mais duras.

Aos funcionários desligados nesta segunda-feira (11/05), foi oferecido, sem exceção, um acordo para parcelamento de débitos em atraso, com pagamento da primeira parcela no ato. Também pelo acordo, fica estipulado que o Clube terá de arcar com multa de 50% em caso de inadimplência do pagamento da parcela, devendo haver uma tolerância de 30 (trinta) dias após o vencimento para aplicação da multa. O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CLUBES, FEDERAÇÕES E CONFEDERAÇÕES ESPORTIVAS E ATLETAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO acompanhou todo o processo.

A decisão da Diretoria Administrativa foi tomada considerando as implicações orçamentárias com a crescente queda de receitas, aliada ao cenário extremamente desafiador dos próximos meses em todos os âmbitos. Tais medidas não seriam adotadas não fossem no intuito de assegurar a sobrevivência financeira do Clube.

O Club de Regatas Vasco da Gama agradece aos funcionários ora desligados pelo profissionalismo e dedicação durante o período em que estiveram a serviço da instituição".

 
Paulinho diz que continua acompanhando o Vasco e projeta volta no futuro
Comentários