Futebol Brasileiro

Daniel Paulista fala sobre volta por cima no Confiança e força do Nordeste no futebol brasileiro

Em entrevista exclusiva, o treinador que levou o Confiança à Série B fala sobre sua carreira, desafios no Confiança e futebol brasileiro

Avatar del

Por Ana Cerveira, Carlos Eduardo e Priscila Senhorães

Daniel Paulista chegou ao Confiança em março de 2019(Divulgação/ADC)

Daniel Paulista chegou ao Confiança em março de 2019 | Divulgação/ADC

Daniel Paulista já pode ser considerado um nome vitorioso para o Confiança. Em apenas sete meses de trabalho, o treinador da equipe sergipana conseguiu levar a equipe para a Série B e ainda garantir a classificação para a Copa do Nordeste de 2020.

Daniel começou a carreira de técnico há cinco anos, em 2014. Desde então, passou por Sport, Boa Esporte e, agora, pelo Confiança. E, em papo exclusivo, ele conta como foi aceitar o convite da equipe que antes disputava a Série C.

Eu apostei na minha carreira. Pensei que naquele momento eu precisava dar alguns passos para trás, reconhecer o momento, para que depois eu pudesse dar três passos para frente, crescer como profissional. Sabia das dificuldades, das limitações e dos obstáculos que teríamos que superar durante esse trabalho. Graças a Deus, com muito trabalho e empenho, consegumos todos os resultados positivos. Isso me deixou satisfeito e esperançoso para que agora, para 2020, possamos fazer uma temporada ainda melhor.

Seus resultados são frutos de consistência, já que, ao chegar no Confiança, os resultados não foram imediatos. A equipe foi eliminada do campeonato sergipano e fazia uma campanha instável no Campeonato Brasileiro. 

"No início eu trabalhei com um grupo que não fui eu que montei, já estava formado. Infelizmente o grupo não estava dando rendimento, não estava tendo resultado, e a gente não tinha o que fazer naquele momento, não tinha como alterar. A gente ainda tentou resgatar e buscar um objetivo maior dentro do estadual, mas não conseguimos. Para o Campeonato Brasileiro fizemos uma reformulação grande, trocamos muitos jogadores, tivemos apoio e aval da diretoria para fazer todas essas mudanças, que acreditou no trabalho. A gente foi recompensado o rendimento da equipe, que melhorou muito, tanto que conseguiu o acesso para a Série B", conta Daniel, que explana seus sentimentos ao conquistar o acesso:

"É um sentimento de dever cumprido, de ter feito um excelente trabalho. Colocamos um clube do Sergipe pela primeira vez na Série B, conquistamos isso no campo, dentro das quatro linhas. Prazer muito grande ter participado dessa conquista, ainda mais sendo o comandante, isso me deixa muito orgulhoso. Mas sabemos que a responsabilidade só aumenta para a próxima temporada", afirma.

Como jogador, Daniel Paulista teve passagens por clubes da elite do futebol brasileiro, como Santos, Corinthians e Sport e sabe da diferença de estruturas que os clubes brasileiros possuem. Enquanto alguns possuem orçamentos milionários, outros passam por poucas e boas para se manter em alto nível nas séries abaixo da A do Brasileirão. Daniel conta sobre o desafio de lidar com essa diferença.

Confira outros tópicos da entrevista com o treinador:

Força do futebol nordestino no Brasil

Acho que é uma tendência que vem acontecendo nos últimos anos. O futebol nordestino vem crescendo, as equipes nordestinas vêm se estruturando melhor, vêm investindo mais no futebol, nas suas categorias de base. É um momento importante para a região. É um mercado novo que vem se abrindo, que vem crescendo, e para nós, profissionais do futebol, isso é muito importante.

Calendário cheio da Série B

Nós estamos agora em planejamento pra temporada 2020. Estamos nos reunindo e trabalhando em algumas frentes, principalmente na melhora estrutural e profissionalização do clube né, são melhorias que precisam ser feitas pelo patamar que o clube vem atingindo. Na Série B acredito que entramos num grupo seleto dos 40 melhores clubes do país.

Situação do Sport e carinho pelo clube

Acho que o Sport é uma potência em termos de Nordeste, é um clube que merece estar na Série A, mas infelizmente por conta de más administrações acabou sofrendo muito, principalmente nesse último ano com o rebaixamento, mas a tendência é que volte para a primeira divisão, é uma força importante da região.

Inspiração na nova geração de técnicos do futebol brasileiro

Não, não tenho uma inspiração definida em nenhum treinador. Tive oportunidades de treinar como jogador com grandes treinadores, e também quando era auxiliar, trabalhei indiretamente com vários deles. Lógico que sempre pegamos o que é positivo para o dia a dia para que a gente possa usar. Foram grandes experiencias que vivi e me preparei para que hoje eu pudesse estar iniciando minha carreira de treinador.

Espaço para treinadores gringos no Brasil

Acho extremamente positivo. Acho que o mercado tem espaço pra todo mundo, vai muito de nós, treinadores brasileiros, sabermos aproveitar esse espaço. Acho que é uma cultura nova que vem se apresentando para nós e acho que temos que pegar o que eles têm de bom, como eles também pegam as coisas boas dos profissionais brasileiros. Esse intercâmbio é importante pro crescimento do futebol.

Parceria com Robinho e Diego no Santos

Foi muito importante, era um grupo muito jovem. Na ocasião todos tínhamos em torno de 20 anos, tudo começando para todos nós. Era um grupo bastante iniciante, mas de muita qualidade, tanto que a maioria dos atletas tiveram carreiras muito importantes e vitoriosas, tanto internacionais quanto nacionais, foi um time muito bom que o Santos montou naquela ocasião.

  • CONFIANÇA
Comentários