Futebol Brasileiro

EXCLUSIVO: Gustavo Munúa nega convite, mas afirma: "Gosto de tomar a iniciativa da partida e o Palmeiras tem jogadores para isso"

Treinador uruguaio foi mandado embora do Nacional, do Uruguai, na tarde de hoje (15), após perda do primeiro turno do campeonato local

Por Rodrigo Fragoso

Gustavo Múnua é um dos candidatos da diretoria do Palmeiras para o posto de treinador(Getty Images)

Gustavo Múnua é um dos candidatos da diretoria do Palmeiras para o posto de treinador | Getty Images

O técnico uruguaio Gustavo Munúa é um dos nomes em pauta na mesa da diretoria do Palmeiras após a demissão de Vanderlei Luxemburgo. A informação obtida pela reportagem do Esporte Interativo é de que Miguel Ángel Ramírez é o favorito, mas Munúa também chama a atenção. E ele gosta da ideia de treinar o clube.


A reportagem do Esporte Interativo procurou o uruguaio para entender se um contato já havia sido feito na tarde desta quinta-feira (15) e recebeu a negativa do treinador, que acaba de ser desligado do Nacional, do Uruguai, após a derrota na final do primeiro turno do campeonato local para o Rentistas. No entanto, ele fez questão de dizer que estaria aberto ao convite.


"O Palmeiras é uma equipe com objetivos grandes e isso me motiva muito. Eu assisti alguns jogos da equipe na Copa Libertadores da América e é um time com jovens habilidosos. E conheço muito bem o Viña", lembrou Munúa, que foi o comandante do lateral esquerdo palmeirense enquanto não havia sido negociado pelo Nacional.


Em coletiva na tarde de hoje (15), a diretoria do Palmeiras falou sobre buscar um modelo de jogo ideal, com transições rápidas, para aí sim definir o nome do treinador. Questionado sobre seu modelo de jogo e a possibilidade de encaixá-lo no Palmeiras, Munúa resumiu:


"Eu gosto de tomar a iniciativa da partida e o Palmeiras tem jogadores para isso. Me encanta poder dominar o jogo com variações táticas e com muita pressão. Jogar como time grande", concluiu o treinador em papo exclusivo com o Esporte Interativo.


Gustavo Munúa foi contratado pelo Nacional para trazer o protagonismo de volta ao time principal, mas a diretoria enxergou o fim de um ciclo após a derrota para o Rentistas, na final do primeiro turno da liga local. Na Libertadores, Munúa deixou a equipe com quatro vitórias e uma derrota, ocupando a segunda colocação do grupo F. A performance da equipe era questionada por muitas vezes não conseguir se impor, ainda que fosse precisa para obter vitórias com poucas finalizações realizadas e muitas sofridas.


Um dos exemplos das críticas em relação a postura do treinador aparece em matéria do site El Observador, do Uruguai, questionando a postura do time de Munúa em vitória contra o Progreso, por 2 a 1, na liga local. "Nacional mostrou diante do Progreso sua melhor versão depois da pandemia, mas o bom futebol, vertical e de audácia, durou apenas 45 minutos", escreveu o colunista Pablo Benítez, que questionou ao final da crônica da partida: "Qual é a verdadeira versão do Nacional? Qual é a versão que a torcida quer? Não há dúvidas de que é aquela apresentada no primeiro tempo, mas muitas vezes o técnico cai no vício de abdicar do protagonismo e a equipe vence com placar justo ou sofrendo".


Os elogios ao trabalho de Munúa foram grandes em relação a campanha da equipe na Libertadores, especialmente dentro de casa. O jornal Ovación afirmou que Múnua carregava em seu trabalho a "fórmula mágica para jogar como visitante" na competição. Em oito partidas disputadas pelo Nacional em suas duas passagens pelo clube, Munúa venceu quatro e empatou quatro. Em 2020, o técnico conquistou quatro vitórias consecutivas no torneio internacional, feito inédito na história do clube. O periódico concluiu que Munúa já poderia colocar em seu currículo o status de treinador "copero" após a vitória sobre o Estudiante de Mérida por 3 a 1.


Ele já havia comandado a equipe em 2015, quando foi demitido após alguns resultados ruins no Campeonato Uruguaio e uma eliminação para o Boca Juniors nas quartas de final da Copa Libertadores da América. A passagem pela LDU foi catastrófica, com uma vitória, dez empates e nove derrotas. Por outro lado, na Espanha, quase colocou o Cartagena na primeira divisão do futebol nacional.


Segundo a imprensa uruguaia, a decisão da diretoria pela saída do treinador partiu da falta de autocrítica do treinador, que não admitia quando errava em algumas atitudes com a equipe em termos de escalações e substituições. Munúa já não era mais unanimidade na diretoria e na torcida. Depois da derrota para o Rentistas, não houve outra saída.
 

Comentários