Futebol Brasileiro

Em coletiva de Tite, Neymar vira assunto em destaque

Às vésperas de amistoso contra o Senegal, o treinador da seleção brasileira respondeu perguntas sobre o camisa 10 

Tite comentou as críticas sobre seu tratamento a Neymar

Tite comentou as críticas sobre seu tratamento a Neymar

Neymar completa 100 jogos pelo Brasil na próxima quinta-feira (10), contra a seleção africana. Além da marca, o jogador do PSG passou por polêmicas e lesões recentes. Motivos suficientes para o técnico Tite, acompanhado do ex-jogador César Sampaio e o auxiliar Cléber Xavier, na coletiva nesta quarta-feira, falar sobre o craque. 

A comissão técnica concedeu a primeira coletiva em Singapura - Foto: Pedro Martins / MoWA Press

Confira esses momentos:

  • Neymar fora do top-3 da Fifa

Tite:  Neymar é top 3 em condições normais, sem lesão, com treinamentos, regularidade em campo, participação normal. A maturidade, o fim das lesões, seguir com saúde, a retomada daquele nível, ele vai estar de novo no top-3.

  • A marca de Neymar e a volta do jogador depois das lesões

César Sampaio: (...) Quando convocado me sentia como um soldado sendo chamado para defender as fronteiras do seu país, questão de muito orgulho para amigos, família. É uma honra num país, ainda mais sabendo que aqui a concorrência é muito acirrada (...) Participar desse momento com Neymar é grandioso para mim e, sem dúvidas, ele vai querer retribuir a todos os brasileiros com uma grande apresentação e uma grande vitória. É um momento de motivação para ele, por tudo que passou, pelo entorno, por ficar de fora da última conquista da Copa América. É esse Neymar que tenho visto: motivado, alegre, um cara envolvido e querendo dentro de campo dar a melhor resposta.

  • Polêmicas de Neymar fora do campo* e críticas sobre tratamento ao craque

Tite: Eu respeito muito as críticas, mesmo divergindo delas. As informações que vocês têm não são a realidade de que nós temos. Não vou falar publicamente algumas coisas, não tenho esse direito. Mas temos relação de dizer o que é certo, o que é errado. Respeito quem formata opinião, mas não tem a devida informação para avaliação.

Respeito. Vou fazer o quê? Eu sei a minha conduta. A minha verdade e a minha consciência são maiores. Estou muito em paz comigo mesmo. Não pago preço para ficar bajulando jogador nenhum, qualquer que seja. Em função do que tive como educação, como conduta. Não como técnico de seleção, mas como pessoa, ser humano.

Democraticamente a verdade vem à tona. O tempo pode proporcionar... O mesmo tempo de quando recebi 30 perguntas sobre o que aconteceu com ele e pedi calma antes de julgar. Tive que responder com o pré-julgamento sobre a situação. Foi horrível de tratar. Eu não julgo ninguém, deixa o tempo conduzir as coisas. Para fechar, me incomoda (essas críticas), principalmente por fazerem julgamento sem ter as devidas informações, a conduta, o preço que pago para estar técnico da Seleção.

 

*O episódio de acusação de estupro, cujo inquérito terminou sem o indiciamento do jogador.
Comentários