Futebol Brasileiro

Fellipe Bastos acredita em título no Carioca: 'A gente está com muita fome'

Em entrevista à VascoTV o volante falou sobre a volta aos gramados depois de 6 meses e confiança da equipe depois da estreia de Ramon Menezes

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Fellipe Bastos acredita no título do Carioca(Thiago Ribeiro)

Fellipe Bastos acredita no título do Carioca | Thiago Ribeiro

A vitória do Vasco diante do Macaé por 3 a 1 no último domingo encheu o torcedor de expectativa e o time de confiança. Na primeira partida no comando do técnico Ramon Menezes a equipe mostrou muita vontade e disposição destacada pelos próprios jogadores, como Fellipe Bastos, que em entrevista à VascoTV nessa terça-feira(30) deixou claro que acredita na classificação e até no título da competição estadual

“A gente está com muita fome, se deixar a gente chegar, com a vontade que todo mundo está, a disposição, a vontade do Ramon de fazer o trabalho dele e a gente de aprender e evoluir,... Se deixar a gente chegar vai ser difícil. Mas primeiro vamos fazer nosso trabalho aqui”, disse.

Porém para se classificar para a próxima fase da Taça Rio o Vasco não depende só de si, a equipe tem que vencer o Madureira na próxima quinta-feira (02) e torcer para uma derrota do Volta Redonda, que joga contra o Resende.

“Precisamos fazer o nosso papel, confirmar o que estamos fazendo, mas queremos classificar. Não adianta o Resende ganhar e a gente não. Temos que focar, trabalhar mais ainda o que fizemos contra Macaé para que joguemos bem contra o Madureira. Precisamos confirmar quinta-feira o que o Ramon tem pedido e conseguir a vitória para os deuses do futebol colocarem a gente na semifinal”, disse Fellipe Bastos.

Bastos foi titular contra o Macaé, seu primeiro jogo em 2020. O volante não teve oportunidades nessa temporada e a situação mudou com chegada de Ramon Menezes que ainda durante a paralisação conversou com o jogador, depositou confiança e explicou as funções táticas que gostaria que desempenhasse.

“Fiquei muito feliz, eu disse que parecia um menino que acabou se subir da base pro meu primeiro jogo, pela ansiedade que se gerou no jogo que mudou de data, e estava ansioso por ter ficado quase 6 meses sem jogar, a gente quer jogar todos os jogos, sabia que isso não era uma coisa normal na minha carreira, esperei e confiei no que tinha como foco e participar do gol foi muito gratificante, torcedor pode esperar um Felipe diferente, mas experiente, aguerrido, brigando pelas cores do Vasco e pra que a gente continue conquistando coisas grandes. Para o próximo jogo já sabemos o que temos que fazer, Ramon passou para a gente e queremos fazer a nossa parte”, contou.

Na vitória do último domingo, o volante voltou aos gramados e foi responsável pela assistência para o terceiro gol do hat-trick marcado por Cano. O volante comemorou como se fosse ele quem tivesse balançado as redes.

“Cano tinha melhor condição, por isso virei o pé e foi como se fosse um gol. Eu queria também fazer um gol e esse lance foi depois de ter levado um gol e daria mais tranquilidade no jogo e a comemoração por ter voltado a jogar depois de 6 meses, reestreia importante”, revelou.

Confira outras respostas da entrevista:

O que Ramon tem pedido

Ramon tem cobrado troca de passes e bastante movimentação e a gente tem sido organizado. No treinamento cobrando o "perde e pressiona" e fizemos um pouquinho do que estamos treinando há quase um mês agora tem o próximo jogo.

Vontade da equipe

A gente está com muita fome, se deixar a gente chegar, com a vontade que todo mundo está, a disposição, a vontade do Ramon de fazer o trabalho dele e a gente de aprender e evoluir, se deixar a gente chegar vai ser difícil. Mas primeiro vamos fazer nosso trabalho aqui.

Entenderam rápido

Quando a gente voltou pegamos rapidamente o que ele queria, até porque conversamos antes pela internet do que queria, assimilamos rápido, grupo inteligente que quer colocar nome na história. Ganhar nunca é fácil, a gente vinha sofrendo no início do campeonato e nesse jogo conseguimos várias coisas importantes para o início da temporada

São Januário é família

Eu gosto de treinar em São Januário porque é a nossa casa, a gente faz de SJ a nossa casa. No CT a gente treina, mas São Januário é a nossa casa, onde a gente conquista vitória, onde a torcida recebe a gente e treinar lá esse tempo faz com que a gente se aproxime mais de SJ como família e a nossa casa. Jogadores que chegaram agora estão podendo ver agora SJ como a nossa casa, a gente está super a vontade e é o que a gente precisa.

Torcida

A nossa torcida é muito diferente, quando a gente entra em São Januário vê aquela energia, eles cantando, eles fazem falta, mas a gente sabe que é por uma causa maior. Mas que quando eles voltem fazendo festa empurrando a gente, e a gente em momento mais tranquilo, jogando bem, evoluindo para ganhar confiança paro estou da temporada que é grande. Precisamos focar, trazer o torcedor para gente e tentar buscar os nossos sonhos. A gente é do tamanho do nosso sonho e o meu é muito grande.

Título de 2011

A gente teve agora uma live de 9 anos desse título e deu pra relembrar o quanto foi importante essa conquista pra gente. Hoje entro em SJ vejo a estrela de 2011 e penso: participei desse título. Serve de inspiração para conquistar coisas maiores.

Retorno aos campos

Fiquei muito feliz pelo jogo que todo mundo fez, estava 6 meses sem jogar, mas estávamos 3 meses sem jogar, Talles machucado, a gente tinha esse receio, mas sabíamos da condição e o que podíamos mostrar nesse jogo, passamos o treinamento no jogo. Esse jogo mostrou que se tivermos concentrados, conseguimos colocar o que o Ramon manda para gente e conseguir as vitórias.

Jogando mais para o lado direito

Ramon tem pedido para mim, para o Pikachu e para o Vinicius. Pediu para gente movimentar o lado direito que tem mais velocidade e infiltração. Ramon pediu e a gente conseguiu

Passe para o Cano

Cano tinha melhor condição, por isso virei o pé e foi como se fosse um gol. Eu queria também fazer um gol e esse lance foi depois de ter levado um gol e daria mais tranquilidade no jogo e a comemoração por ter voltado a jogar depois de 6 meses, reestreia importante.

Porque deu o passe e não chutou

Todo mundo veio falar que achava que eu ia chutar, mas acho que os defensores do Macaé também esperavam. Eu vi o Cano sozinho, e não estaria impedido.

Camisa 8

Camisa 8 é emblemática no clube, vestida por Giovani e Juninho Pernambucano, cada um fez a sua história, eu espero fazer a minha. Voltar ao clube com a número 8 quero fazer a minha história, número tem histórias e trajetórias e quero fazer a minha

Briga na posição

Ramon tem dor de cabeça boa, jogadores que tem boa qualidade, sei como preciso estar focado para ser titular. Vasco hoje não tem só 11 titulares e a gente dentro de campo temos que mostrar que somos capazes de ser titular e jogar nesse clube.

Posicionamento

Ano passado eu cheguei a conversar com Vanderlei que queria jogar como primeiro volante, posição que ele queria e ele preferiu o Richard e continuei lutando, sempre fui meia e primeiro segundo volante. Ramon conversou as funções táticas me pediu para fazer, algo que eu já fazia durante a minha carreira, respondi que sim. A parte física aprimorei e agora é continuar evoluindo. Essa troca entre mim e Andrey vai acontecer até pra confundir o adversário e sair com a bola de trás com qualidade.

Passe para o Cano

A tomada de decisão é em segundo e foi o que aconteceu ali, vi o Cano, vi que não estava impedido e estava desequilibrado para chutar com qualidade, por isso preferi dar o passe, não sei se conseguiria fazer o gol. Tenho aprimorado a tomada de decisão para que não erre tanto e que consiga ajudar mais o Vasco.

Confiança do Ramon e críticas

Ramon me passou muita confiança, conversou bastante comigo, a gente conversou bastante, ele pediu para eu cumprir funções, isso me deu confiança e motivação. Torcedor é paixão, ele sabe o quanto posso render e contribuir, isso é normal. Críticas que vão me acrescentar eu recebo e tento melhorar o futebol, mas tem críticas que depreciam e deixam pra baixo isso não vejo, não levo muito adiante porque não me acrescenta em nada. O torcedor me conhece, eu sou um dentro de campo, sou identificado com clube e sei como ficam putos quando erro passe, chute, gol, com razão. Também fico chateado quando não jogo bem e jogador, torcedor tem toda razão do que vinha me cobrança.

Onde se sente melhor

Ramon conversou comigo e pediu pra que fizesse o lado direito, mas me viu treinando como primeiro volante, então ali consigo fazer as três funções e uma coisa que gosto de fazer do lado direito perto do gol, pra ter o passe, a infiltração, o perde pressiona, não vou escolher onde jogar, quero estar em campo e que Ramon faça a melhor escolha para o club. Se me perguntar o que prefiro é estar perto do gol, do lado direito, onde joguei contra o Macaé e onde me sinto mais à vontade para desempenhar as funções que tem me pedido.

Físico

A parte física vai ser uma coisa que aprimorei muito, já não sou um garoto e preciso do meu físico. Futebol hoje é intenso e precisa da intensidade e da velocidade e preciso estar bem para desempenhar minhas funções

Amizade com Castan

E o Castan é um irmão no futebol, ano passado quando cheguei foi a primeira pessoa que me recebeu, minha família é amiga da dele, somos vizinhos, treinamos juntos na pandemia, um cara que é exemplo pra mim por tudo que viveu, somos competitivos mas nossa amizade sempre vai prevalecer porque confio, gosto, ...

Cano goleador

Cara se posiciona muito bem. Só toca uma vez e coloca a bola pra dentro, ano passado precisávamos de alguém desse escalão, conseguiu fazer essa quantidade de gols que vem fazendo e isso tem sido importante.

Sul-Americana

A gente sabe que calendário vai ser apertado e a gente não quer priorizar campeonato nenhum, estamos nos preparando fisicamente para chegar a todos campeonatos com chance de vencer. Sul-americana eu cheguei na final dela em 2013 com a Ponte Preta, sei o quanto que é difícil chegar nas finais e no título, precisamos mudar a chave, é um sonho que a gente tem, título inédito pro clube, a gente saber que se quiser conquistar tem que se esforçar muito e trabalhar bastante

Avançar na Copa do Brasil

As pessoas têm se equivocado muito quanto a isso, sabemos que é difícil, mas não é impossível conseguir resultado lá impondo nosso ritmo e estilo de jogo. É o caminho mais curto para Libertadores e ano que vem o Vasco precisa estar na Libertadores, conquistando títulos, sul-americana, copa do Brasil ou os dois porque, como disse, somos do tamanho dos nossos sonhos.

Aniversário do Ramon

Ano passado, quando cheguei a gente conversava e ele cobrava que a gente fizesse gol de falta. A gente já via potencial pela inteligência como jogador, cara inteligente, dedicado, sempre estudando, que merece essa oportunidade e a gente em campo, entendendo rápido o que ele pede faremos uma grande campanha e pra consolidar o trabalho dele que merece tanto. Foi um jogador vitorioso e a gente espera que ele repita como treinador.

O que sente pelo Vasco

Sentimento de gratidão, amor, o clube que eu mais identifico no Brasil, que me abriu as portas em 2010.

  • Vasco
  • Carioca
  • Fellipe Bastos
Comentários