Futebol Brasileiro

Fluminense vende 3 mil camisas em apenas 12 horas após o lançamento

Live com rapper Xamã trouxe retorno positivo na venda das camisas, no número de sócios e no crescimento das redes sociais oficiais do clube

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Fluminense vende 3 mil camisas em 12 horas após o lançamento(Lucas Merçon / Fluminense FC)

Fluminense vende 3 mil camisas em 12 horas após o lançamento | Lucas Merçon / Fluminense FC

O Fluminense inovou ao ser o primeiro clube a lançar as novas camisas em uma live e vem colhendo os frutos da ação. Nesta quinta-feira (07), o clube divulgou em nota que recebeu cerca de 3 mil pedidos nas 12 primeiras horas de venda, seja pela loja online ou pelas lojas físicas que vendem via Whatsapp com o cliente retirando o pedido sem sair do carro. Outro número que chamou atenção foi em relação ao programa de sócio torcedor. O volume de adesões, nesta quarta-feira (06), foi 12 vezes maior que a média diária de abril e maio. Os números confirmam a expectativa do clube de lançar os uniformes em meio a pandemia como uma forma de gerar receita em tempos de crise.

Foram quase duas horas ao vivo com show do rapper tricolor Xamã.  O clube envolveu todas as suas redes sociais no lançamento e teve um retorno positivo. No Youtube chegou ao número de 200 mil inscritos no canal e 287 mil visualizações no vídeo. No Twitter a hashgtag #NovaArmaduraTricolor entrou nos assuntos mais comentados e o perfil do Fluminense teve alcance de mais de 2 milhões de impressões orgânicas, a média diária é de 545 mil. Já no Instagram um aumento de 700% nas interações em relação ao número dos últimos 7 dias e mais de 5,3 milhões de impressões só na quarta-feira. Além disso, o clube aproveitou a ocasião para lançar seu perfil oficial no Tiktok.

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

O Fluminense vem agindo diariamente em novas formas de gerar receita e diminuir os impactos no clube em meio a crise vivida pelo futebol como consequência da pandemia do novo coronavírus, seja com redução de salários, negociação de novos prazos para pagamentos de dívidas ou reformulação do programa de sócio futebol.

 
Comentários