Futebol Brasileiro

Gabriel Jesus revela que analisar atuações recuperou sua 'felicidade de jogar futebol' após Copa do Mundo de 2018

Em transmissão ao vivo com Ronaldo, o atacante Gabriel Jesus garantiu que sofreu muito por exibições na Copa do Mundo, mas que em dezembro de 2018 conseguiu "virar a chave" ao analisar que não perdeu chances de gol, mas sim que não conseguiu criá-las

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Atacante disse que ser camisa 9 da seleção brasileira na Copa do Mundo e não marcar gols o machucou muito(Getty Images)

Atacante disse que ser camisa 9 da seleção brasileira na Copa do Mundo e não marcar gols o machucou muito | Getty Images

O atacante Gabriel Jesus não viveu seu melhor momento durante a Copa do Mundo de 2018. Sem marcar gols durante a competição, o atleta do Manchester City afirmou, em transmissão ao vivo no Instagram junto com Ronaldo Fenômeno, que sentiu muito não ter balançado a rede.

"Eu não fui o meu melhor e isso me machucou muito. Até dezembro de 2018 me machucou muito, mas ali virou a chavinha. Tem coisas que acontecem, não dá pra voltar atrás, infelizmente. Maior torneio do mundo, seleção brasileira, camisa 9, sair sem fazer gols complicou, me machucou como pessoa e jogador. Mas tirei proveito do ambiente, atmosfera, não ganhamos mas o aprendizado ficou. Virei a chavinha e agora é o objetivo é a próxima", afirmou.

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

Para Jesus, o sofrimento melhorou quando, ao fazer uma análise de suas exibições, percebeu que não chegou a perder chances de gols, mas sim que não conseguiu criá-las.

"Percebi que muitos não analisaram. Na verdade eu não criei chances de gols. Não perdi porque não criei. E levei pra frente, isso me ajudou muito. Fiz poucas finalizações porque não criei, mas não perdi chances de gol. Isso me reacendeu. Perceber a falha, que eu não criei, ajudou a recuperar minha felicidade de jogar futebol de novo depois daqueles cinco ou seis meses", afirmou.

 
  • Seleção brasileira
Comentários