Futebol Brasileiro

Jesus x Klopp: final do Mundial coloca frente a frente técnicos que 'recuperaram' Flamengo e Liverpool

Treinadores quebraram tabus e conseguiram levar as equipes aos títulos mais importantes de seus continentes 

Avatar del

Por Rodrigo Silva

Flamengo e Liverpool vão disputar o título do Mundial neste sábado

Flamengo e Liverpool vão disputar o título do Mundial neste sábado

Se em campo a final do Mundial de Clubes será recheada de estrelas do futebol sul-americano e europeu, fora dele não será diferente. A decisão deste sábado (21) marcará o encontro de técnicos que conseguiram recuperar o espírito vencedor de Liverpool e Flamengo. Jorge Jesus e Jürgen Klopp conseguiram quebrar longos tabus e levaram dois multicampeões novamente aos títulos da Champions League e da Libertadores da América.

Klopp precisou de quatro temporadas até conquistar o principal campeonato do continente europeu. Sob o comando do treinador desde 2015, os Reds quase sempre flertaram com as primeiras posições do Campeonato Inglês e ensaiavam entrar forte pelo título da Champions League, o que aconteceu na atual temporada, após derrotar o Tottenham na decisão. Antes disso, a equipe comandada pelo alemão já tinha batido na trave, quando foi vice-campeão diante do Real Madrid na edição 2017/18.

Klopp comemora o título europeu do Liverpool (Foto: Matthias Hangst/Getty Images)

Ganhar a Champions não foi novidade para o Liverpool, que já tinha levantado o troféu outras cinco vezes. Porém, antes do time comandado por Jürgen Klopp quebrar o tabu, eram 13 edições sem título e dois vices: em 2006/07 diante do Milan e em 2017/18 contra o Real Madrid. Neste período, dois ingleses foram campeões: Manchester United e Chelsea. 

Klopp segue escrevendo história no Liverpool. Contra o Flamengo, ele terá a chance de fazer o que nenhum treinador conseguiu: dar um título do Mundial ao clube. Em toda sua história, o time inglês teve essa chance três vezes, mas nunca venceu o torneio - perdeu para o Rubro-Negro carioca em 1981. Paralelamente, a equipe busca outro feito importante: voltar a ser campeão nacional, o que não acontece desde 1989/90. Com 17 rodadas disputadas, os Reds lideram o campeonato com 10 pontos de diferença para o segundo colocado. A campanha de 16 vitórias, um empate e nenhuma derrota mostra como Klopp conseguiu recuperar o espírito vencedor de um gigante mundial. 

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!
 
Do outro lado...

No lado rubro-negro a história se repete, com resultados até mais rápidos. Em apenas uma temporada, Jorge Jesus quebrou tabus e fez o Flamengo campeão de novo. Com o português à frente, o Rubro-Negro sobrou em 2019: campeão brasileiro e da Libertadores da América. A cereja no bolo seria o Mundial de Clubes. 

Jorge Jesus revolucionou o estilo de jogo da equipe carioca e fez do Flamengo uma máquina de marcar gols. Só em 2019 - incluindo o Campeonato Carioca, quando Abel era o treinador - são 156 gols marcados. Na trajetória do título brasileiro, o Rubro-Negro marcou 86 vezes. O Grêmio, que teve o segundo melhor ataque, fez 64. 

O Flamengo passou de um time que bateu muitas vezes na trave nos últimos anos para um vencedor de títulos. Com Jesus, o time voltou a levantar o Brasileirão, o que não acontecia desde 2009. O tabu na Libertadores era ainda maior: de 81 até 2019.

Jorge Jesus participou da festa do título da Libertadores (Foto: Wagner Meier/Getty Images)

Aos 65 anos, o português Jorge Jesus chegou ao Flamengo para marcar história. Em sua primeira temporada, o treinador fez do clube rubro-negro um time muito difícil de ser batido. Obviamente, diante de tamanha revolução em tão pouco tempo, o "Mister" caiu nas graças da torcida. 

A sequência impressiona, mas o que mais chama atenção é a maneira como a equipe alcançou os feitos. Enérgico, o treinador consegue fazer do Rubro-Negro um time intenso e com fome de gol durante os 90 minutos. Dentro deste período, alguns resultados foram emblemáticos: Corinthians (4x1), Grêmio (5x0), Palmeiras (3x0) e Vasco (4x1), além das viradas contra River Plate e Al-Hilal, na decisão da Libertadores e na semi do Mundial, respectivamente. 
 

Comentários