Futebol Brasileiro

Lazaroni coloca ponto final em polêmica de áudio vazado no Botafogo: 'Resolvido'

Treinador interino do Alvinegro afirmou em coletiva nesta sexta-feira (11) que assunto está resolvido, principalmente entre os atletas do elenco

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

1/2
Bruno Lazaroni comandou o Botafogo na vitória sobre o Goiás, por 3 a 1, na última rodada(Vitor Silva)

Bruno Lazaroni comandou o Botafogo na vitória sobre o Goiás, por 3 a 1, na última rodada | Vitor Silva

Lazaroni coloca ponto final em polêmica de áudio vazado no Botafogo: 'Resolvido'

Lazaroni coloca ponto final em polêmica de áudio vazado no Botafogo: 'Resolvido'

Tema superado. É assim que a polêmica envolvendo os áudios vazados de Carlos Augusto Montenegro está sendo tratada no Botafogo. Pelo menos por parte do técnico interino Bruno Lazarani, que acabou sendo envolvido na questão, uma vez que o ex-presidente alvinegro afirmou que o profissional criticou os atletas Léo Valencia e Rodrigo Pimpão. Em coletiva nesta sexta (11), ele afirmou que o assunto foi esclarecido entre os jogadores e está totalmente resolvido.

"Foi tudo esclarecido por ele (Montenegro). Hoje de manhã ele publicamente explicou o que realmente aconteceu. Está tudo superado e resolvido, principalmente com os atletas. Da minha parte não fica mágoa nenhuma. Vou seguir em frente, a minha vida sempre foi assim. Minhas atitudes falam muito mais do que as palavras".

Lazaroni também negou que tenha feito alguma crítica a um dos dois atletas supracitados, apesar de ter confirmado a conversa com Montenegro antes de o Botafogo enfrentar o Goiás na última quarta-feira (09). Bruno enfatizou que seria pouco inteligente da sua parte direcionar qualquer comentário negativo a nomes que ele, posteriormente, colocaria em campo.

"Conversei com o elenco, foi a primeira coisa que fiz ontem quando cheguei ao clube. Expliquei para eles o que aconteceu. Ele (Montenegro) me perguntou sobre alguns jogadores. Primeiramente, eu os defendi. Especificamente sobre o Pimpão, seria pouco inteligente da minha parte colocar um jogador que eu não acredito em campo. Eu o coloquei para jogar duas vezes. É mais importante ouvir as palavras deles do que as minhas, porque eles são os principais envolvidos e atingidos nessa situação toda".

Comentários