Futebol Brasileiro

Maicon revela dores no joelho e desabafa: 'Difícil até para caminhar'

Jogador busca recuperação total até o próximo dia 23, quando o Grêmio enfrenta o Flamengo no Rio de Janeiro, no duelo decisivo pela semifinal da Libertadores

Avatar del

Por Redação Esporte Interativo

Maicon vem lidando com problemas de lesão desde a sua passagem pelo São Paulo, na temporada de 2014

Maicon vem lidando com problemas de lesão desde a sua passagem pelo São Paulo, na temporada de 2014

Um dos principais pilares do Grêmio de Renato Portaluppi nos últimos anos, Maicon vem correndo contra o tempo para ser parte do momento mais importante do Tricolor gaúcho na temporada atual: o duelo decisivo com o Flamengo, que vai valer uma vaga na final da Libertadores. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (07), o volante revelou que dores no joelho estão fazendo com que ele tenha alguma dificuldade até para caminhar no dia a dia. 

"Tive a lesão da panturrilha e agora, nos últimos dias para trás, me deu umas dores no joelho fortes, que já tinha antes, que tinha melhorado e voltou com força. Fiz exame, é uma lesão meio chata, incomoda às vezes até para caminhar, mas estou procurando fazer o que é possível para estar em condições de treinar e jogar".

Maicon foi reserva no empate em 1 a 1 com o Rubro-Negro carioca na última quarta-feira (02), entrou no final da partida e participou da jogada do gol de Pepê já nos últimos minutos do segundo tempo. Após o confronto, Renato revelou que seu ex-capitão (o próprio atleta foi quem pediu para abandonar a faixa momentaneamente por considerar que estava sendo perseguido pela arbitragem) não tinha condições de jogo, mas que acabou entrando no sacrifício porque sua qualidade era necessária diante das circunstâncias da partida naquele momento. 


"Quero jogar todos para, quando chegar contra o Flamengo, estar bem e ajudar da melhor maneira possível. Se o professor achar que tenho que jogar... Ele toma a decisão. No momento, até pelo último jogo, senti um pouco o cansaço. Estamos fazendo um trabalho na fisioterapia, o que é possível para que eu possa ficar bom. Vai ser difícil ficar 100%".

Comentários