Futebol Brasileiro

Ronaldo já entrou vestindo colete à prova de balas e seguranças no Corinthians: 'Foi uma correria'

Zagueiro Diego Sacoman, hoje no Juventus, atuou ao lado do Fenômeno no Timão, em 2009, e relembrou resenha do craque no Centro de Treinamento

Avatar del

Por Leonardo Ferreira

Ronaldo Fenômeno fez história no Corinthians, entre 2009 e 2011(Getty Images)

Ronaldo Fenômeno fez história no Corinthians, entre 2009 e 2011 | Getty Images

Entre 2009 e 2011, Ronaldo Fenômeno foi uma das grandes figuras que atuaram no Brasil e, pelo Corinthians, o ex-atacante fez história conquistando uma Copa do Brasil e um Campeonato Paulista. Mas uma coisa que alguns de seus ex-companheiros lembram são as resenhas de vestiário.

Companheiro do craque no Timão, o zagueiro Diego Sacoman dividiu todos os cantos do Parque São Jorge com o camisa 9 e lembrou de quando ele assustou todo o elenco ao chegar no Centro de Treinamentos.

"A gente tava no DM e ele sempre foi alegre, palhaço, gostava de tirar sarro. Ele tinha os seguranças particulares, daí ele entrou no DM vestindo um colete à prova de balas, assutando todo mundo (risos). Todo mundo começou a pular pra baixo da maca, todo mundo correndo pelo DM", gargalhou o defensor, em entrevista exclusiva ao Esporte Interativo.

Sabe tudo de futebol e quer provar que é um dos maiores torcedores do seu time? Clique aqui e baixe agora o Fanáticos! É grátis!

Nos treinamentos, era justamente Sacoman quem tinha a incumbência de marcar o fenômeno, algo que muitos zagueiros adversários têm pesadelos até hoje.


"Dispensa comentários falar do cara, a expectativa que era ter ele no elenco, por tudo que representa... Eu, Dentinho, Lulinha, Boquita, a gente olhava pro cara, e falava 'não acredito, um campeão de tudo aqui'. Simplesmente não dava para marcar. Era um cara que pensava muito na sua frente, então era difícil de marcar e a gente fazia o máximo (risos). Isso era bom, porque nos preparava muito pra poder enfrentar qualquer adversário", afirmou. 

"Ele era totalmente diferente do que a gente imaginou. Um cara que tratava igual todo mundo, desde as tias da cozinha, até o Mano (Menezes, técnico), o presidente (Andrés Sanchez)", concluiu.

 
Comentários