Futebol Brasileiro

"Sempre sonhei em jogar no clube do meu coração": Xavier exalta Corinthians em coletiva

Nesta sexta-feira (23), o meia falou sobre voltar a jogar, o ídolo Ralf, a 'pausa' de cinco jogos e o trabalho de Mancini

Avatar del

Por Redação Esporte Interativo

Volante do Corinthians, Xavier, subiu do sub-20 para o profissional(Corinthians/Rodrigo Coca)

Volante do Corinthians, Xavier, subiu do sub-20 para o profissional | Corinthians/Rodrigo Coca

Xavier, volante do Corinthians, foi uma das principais novidades que o técnico interino, Dyego Coelho, deixou no elenco. Tendo sua primeira participação no time principal contra o Bahia, na vitória de 3 a 2, o jogador corintiano também atuou no confronto contra o Sport, onde o time paulista perdeu por 1 a 0 e, depois, acabou não sendo mais escalado.

Com a chegada de Vagner Mancini, o jogador viu a oportunidade de vestir o uniforme preto e branco mais uma vez. Desde o jogo contra o Athletico Paranaense, Xavier é um dos escolhidos pelo novo comandante. 

Em entrevista coletiva, realizada na tarde desta sexta-feira (23), o atleta comentou sobre poder defender as cores do time do coração, o ídolo Ralf, a chegada de Mancini e a escolha de Coelho em afastá-lo por cerca de cinco jogos. 

Ralf como ídolo e inspiração

"Quem eu mais me espelho, quem mais eu procuro ver vídeos, quem mais eu gostei como volante do Corinthians sempre foi o Ralf. Tenho ele como ídolo e como inspiração. Procuro sempre me espelhar nele e tudo que ele fez de bom pelo time...Quero seguir os passos dele". 

Diferença entre base e o profissional

"A cobrança é maior (em relação à base). É o time profissional e tem uma cobrança muito forte em relação a torcedor, mídia, diretoria...Precisamos estar preparados físicamente e mentalmente, porque exige mais...Os noventa minutos são muito intensos". 

O porquê de não ter sido utilizado por Coelho

"Não foi explicado, porque o jogador precisa entender a posição do treinador sempre. Como ele não me explicou quando me chamou para jogar, também não fez quando me tirou. É a opção dele, ele era o treinador da época. Tem que ser respeitado e entendido...Só tenho que buscar melhorar e evoluir, independente da posição dos treinadores".

Jogar no time do coração

Quando falei no final do jogo (contra o Bahia) foi um momento de muita emoção para mim por causa da estreia. Sempre foi um sonho jogar no time do meu coração. Falei com coração e senti que precisava agradecer os jogadores, a comissão e diretoria que estava alí. Me senti muito abraçado por todos que já estavam aqui".

Relacionamento com Mancini

"Minha relação com Vagner tem sido muito boa. Um cara extremamente parceiro e trabalhador que quer, realmente, ajudar o Corinthians. Ele traz o jogador muito para perto dele para perguntar e tirar qualquer tipo de dúvida...Ele me deu essa confiança e essa oportunidade. Estou gostando muito do trabalho dele e dessa parceria que ele está passando para todos os jogadores".

 

 

Comentários