Melhor Futebol do Mundo

Colchão vira campo, cadeira vira equipamento de academia: A rotina das jogadoras brasileiras na Espanha

Jogadoras que atuam na Espanha contam como estão adaptando a rotina na quarentena e sonham com Olimpíadas

Avatar del

Por Tatiana Mantovani

O Brasil lidera a lista de países com mais jogadoras profissionais atuando na primeira divisão do futebol feminino na Espanha. 17 brasileiras defendem sete clubes da Primera Iberdrola e, assim como toda a população espanhola, neste momento elas estão confinadas em suas casas treinando, lidando com a nova situação econômica do país e aguardando para voltar aos gramados.

Jogadoras brasileiras na Espanha. Crédito: Instagram

Há dois anos no UDG Tenerife , das Ilhas Canárias, a goleira Aline Reis, de 30 anos, transformou seu apartamento em uma academia e até em um “gramado”. Com um colchão ela treina defesas e reposição de bola.

“Tem que ter muita criatividade, para falar a verdade. O treino do goleiro envolve muita coisa, não só a queda, o salto, eu consigo trabalhar essas outras faces do jogo. A reposição longa é difícil de trabalhar porque não podemos sair de casa”, explica Aline. Ela também brinca que tem sorte pois o vizinho do andar de baixo é um restaurante que está fechado e assim pode treinar tranquilamente sem incomodar ninguém.

 

Em Valência, a lateral esquerda Jucinara Paz, que defende o Levante, terceiro colocado na Liga Espanhola, conta que o clube promove treinamentos diários por videoconferência. Morando sozinha, a lateral diz ligar até três vezes ao dia para a família.

“Às vezes eu estou aqui, olhando pro teto, e penso: 'vou ligar para a minha mãe'. O contato é ainda maior e a gente tenta passar o que está acontecendo aqui para o Brasil, para que eles fiquem em casa e não saiam, porque não é brincadeira o que está acontecendo. Eu aqui não saio. Fui uma vez só para o supermercado e com medo, porque é um vírus silencioso”, relata.

A situação da zagueira do Madrid CFF Mônica Hickmann, é um pouco diferente. Se recuperando de uma lesão que a afastou dos gramados em novembro, Mônica tem adaptado a casa para fazer os exercícios e diz estar sentindo uma evolução com o trabalho diário.

“Eu já vejo forma na perna, antes não tinha nem forma, isso me deixa contente porque mesmo sozinha aqui em casa eu estou conseguindo evoluir a parte muscular”.

Ela explica que a cadeira extensora seria o melhor aparelho neste momento, mas como não tem, adapta uma cadeira para realizar os movimentos.

 

Mônica voltaria a jogar em abril e acredita que está conseguindo manter a evolução da recuperação: “Perder eu não vou perder, vou continuar evoluindo mesmo que pouco dia a dia”. Ela se mantém positiva e, com a ajuda com o seu cachorro e do violão, encara a quarentena como uma oportunidade de ser reinventar.

A zagueira Antonia Silva e a atacante Valéria Cantuario desembarcaram em Madri no dia 2 de janeiro para jogar no Madrid CFF. Vindas do interior do Rio Grande do Norte e da Paraíba respectivamente, as duas dividem apartamento e treinos em casa durante a quarentena. Ainda em processo de adaptação à cidade e ao clube, as duas revelam que sentiram a diferença na intensidade dos treinos no clube espanhol.

Eles são muito intensos o tempo todo, eles estão muito preocupados com tática e técnica. Sentimos muita diferença nisso”. 

O caminho das duas, que se tornaram amigas quando jogavam pelo São Paulo, até a capital espanhola não foi fácil, mas elas seguem a rotina de treinos com a esperança de que o futebol possa voltar assim que seja seguro.

 

Assim como as jovens do Madrid, a ex-jogadora do Flamengo, Ana Carol Dias, também chegou à Espanha no início do ano. Contratada pelo DF Logroño, ela conta que está fazendo treinamentos em grupo por videoconferência, além de treinos individuais, e que a quarentena acaba alterando o processo de entrosamento para as jogadoras que chegaram na última janela: “É ruim porque a gente voltará para o jogo sem estar entrosada. Quando voltar talvez seja uma correria e não estaremos entrosadas”.

Afetadas pela nova realidade econômica

Até o momento, apenas o Levante UD, clube da lateral Jucinara, não apresentou um ERTE (suspensão temporária do emprego) permitido por Lei durante o estado de emergência na Espanha. Todos os demais clubes citados nesta reportagem adotaram a medida. A ferramenta é uma forma dos clubes, assim como outras empresas espanholas, de suspender temporariamente o pagamento total do salário e repassar ao governo o pagamento de 70% da folha do funcionário. O clube paga 30% e garante ao funcionário a permanência no emprego assim que o estado de emergência terminar.

Mais alguns meses para convencer Pia e estar nas Olimpíadas

A goleira Aline esteve em todas as convocações para datas FIFA desde que a nova técnica da seleção brasileira assumiu o time. A jogadora não poupa elogios à técnica Pia Sundhage.

“Cada convocação que eu estive com a Pia eu aprendi algo novo, que agregou em mim como atleta e à nossa seleção como um todo. Com ela não tem tempo perdido, quando somos convocadas sabemos que vamos evoluir em algo”, relata.

Para a goleira, o adiamento das Olimpíadas altera seu planejamento, mas a vontade de estar nos jogos segue sendo a mesma. A lateral Jucinara, que também esteve na última convocação da Seleção, também sente a evolução nos poucos dias que passou com a nova técnica da Seleção.

“Pia é uma pessoa muito inteligente, em 10 dias eu aprendi muita coisa com ela. Agora a gente tem um ano a mais para trabalhar. Essa motivação de querer estar e ter mais tempo para trabalhar para conseguir chegar”.

Para a zagueira Mônica, com a chegada de Pia, tudo se renovou: “Cada uma tem a oportunidade de mostrar seu trabalho e de provar para a Pia que a gente ainda merece estar lá. Eu ainda não tive muitas oportunidades, mas tenho que trabalhar mais para que ela veja que vale a pena eu estar com o grupo. Isso é bom, faz com que a gente trabalhe ainda mais”.

Para ela, o adiamento das Olimpíadas foi a melhor decisão: “Isso tinha que acontecer para que todos tenham igualdade na preparação e oportunidade para estar em alto nível”, reforçou.

Já para Ana Carolina, a vaga na Seleção para as Olimpíadas ficou um pouco mais complicada: “Eu que já não estou sendo convocada, agora só piorou. Eles não vão olhar para outras atletas, vão manter as que estão mais acostumadas”.

 
Douglas Costa diz que não tem prazo para o futebol voltar e fala em título da Juventus
Comentários