Melhor Futebol do Mundo

Em 1993, Porto não quis contratar Ronaldo por achá-lo caro demais

Jornal português 'O Jogo' divulgou a história, ocorrida quando o Cruzeiro foi jogar amistosos na Europa. Pagar mais de 1 milhão de euros por um jovem de 16 anos era tido como 'loucura' 

Avatar del

Por Redação do Esporte Interativo

Ronaldo Fenômeno brilhou com a camisa do PSV(2020 Alessandro Sabattini)

Ronaldo Fenômeno brilhou com a camisa do PSV | 2020 Alessandro Sabattini

O jornal português 'O Jogo' publica nesta terça-feira (02) a história de quando Ronaldo Fenômeno quase virou jogador do Porto, em 1993. Na ocasião, os Dragões não avançaram com a proposta por considerar o valor muito alto para um jovem de 16 anos: Na época 350 milhões de escudos (a moeda corrente em Portugal na ocasião), equivalentes hoje a 1,75 milhão de euros.

O Cruzeiro estava em Portugal para uma série de amistosos. O então técnico da equipe brasileira, Carlos Alberto Silva, já havia trabalhado no Porto, e indicou o jovem Ronaldo ao seu antigo clube. Mas os dirigentes portistas acharam o valor muito alto para um garoto, pois havia o temor que não vingasse.

Na mesma matéria, o jornal traz comparações com as duas grandes contratações que o Porto fez na época. O clube havia, três anos antes, contratado, do Barcelona, o brasileiro Aloísio, medalha de prata na Olimpíada de Seul, em 1988. O valor pago na época equivale aos atuais 900 mil euros. Na mesma época, os Dragões venceram grande concorrência europeia para assegurar o búlgaro Kostadinov, por 1 milhão de euros.

Mas a desconfiança com relação a Ronaldo não foi uma atitude só do Porto. Na Espanha, o futuro Fenômeno foi oferecido ao Atlético de Madrid. O clube colchonero preferiu apostar no colombiano Valencia, um jogador considerado 'mais pronto'. 

Finalmente foi o PSV, da Holanda, o responsável por apostar no atacante brasileiro. Pouco tempo depois, Ronaldo acabou seguindo os passos de Romário no clube holandês. Se destacou e se transferiu mais tarde para o Barcelona, onde sua carreira internacional decolou.

 
THIERRY HENRY E SUA TARJETÓRIA ÚNICA NA EUROPA
    
Comentários