Melhor Futebol do Mundo

Quem foi Justin Fashanu, o primeiro jogador de futebol a se assumir gay publicamente?

O atacante que passou por Nottingham Forest e Norwich chegou a ser celebrado como uma promessa para a seleção inglesa

Por Gabriel Menezes

Justin Fashanu com o Norwich, onde mais se destacou(Getty Images)

Justin Fashanu com o Norwich, onde mais se destacou | Getty Images

Justin Fashanu é um personagem que deveria ser mais marcado na história do futebol. Afinal de contas, no esporte mais popular do mundo, ainda é raríssimo ver jogadores que se assumam LGBTs. O inglês, que passou pelo Norwich e pelo Nottingham Forest, fez isso enquanto ainda jogava. E nos anos 90.

Filho de imigrantes - Justin tinha pai nigeriano e mãe guineense - o jogador foi abandonado por seus pais biológicos ainda na infância, em Londres, capital inglesa, passando a viver num orfanato. Ao lado de seu irmão John, foi adotado quando tinha seis anos de idade por um casal que morava em Norfolk.

O começo da carreira no Norwich City: Fashanu era uma jovem estrela

Com apenas 17 anos de idade, Fashanu já figurava no time principal do Norwich, onde treinou desde as categorias de base. A estreia do centroavante aconteceu em dezembro de 1978, contra o West Bromwich Albion. Na temporada 1979/80, já consolidado na equipe profissional, Fashanu conseguiu ser coroado como o autor do melhor gol da temporada na primeira divisão inglesa.

John Barnes, ex-jogador do Liverpool e da seleção inglesa, participou das gravações do documentário 'Forbidden Games: The Justin Fashanu Story', que conta a história do atleta, e o definiu da seguinte maneira:

Era um negro grande, forte, e que tinha um grande controle de bola. Ele era fenomenal do ponto de vista físico e técnico."

Convocações para a seleção inglesa de base e transferência milionária

Com o bom desempenho que vinha mostrando no Norwich, o atacante chegou a ser convocado para as categorias de base da seleção inglesa, passando pelo time sub-21 dos Three Lions.

Justin Fashanu atuando pela seleção inglesa sub-21 em jogo contra a Romênia (Foto: Getty Images)

Em 1981, depois de marcar 40 gols em 103 jogos pelo Norwich, Fashanu foi alvo de interesse do Nottingham Forest, então uma das maiores potências do futebol inglês (o clube tinha acabado vencer duas Champions League, em 1978/79 e 1979/80).

Sua transferência para o Forest chamou bastante atenção. Como a promessa que era, Fashanu foi vendido por um milhão de libras, valor considerado bastante elevado para a época. O atacante foi o primeiro jogador negro a ser envolvido em uma transação por essas cifras.

O começo da queda: brigas com o técnico e boatos sobre sua homossexualidade

Fashanu não encaixou no esquema do técnico Brian Clough, que comandava o Nottingham Forest à época, e acabou não conseguindo repetir o bom rendimento que havia apresentado no Norwich. Seus atritos com o comandante só pioraram quando alguns boatos de que o centroavante frequentaria boates LGBT começaram a surgir na Inglaterra.

Fashanu em ação pelo Nottingham Forest (Foto: Getty Images)

Para se ter noção, quando Clough ficou sabendo desses boatos, Fashanu chegou a ser proibido de frequentar os treinamentos do Forest, ainda que tentasse se juntar a seus companheiros. Por isso, sua passagem foi encurtada no time: em 1982, foi vendido ao Notts County.

Mais tarde, Ambrose Mendy, que agenciava a carreira de Justin, admitiu que seu tempo no clube campeão europeu acabou sendo abreviado por conta de sua homossexualidade:

Sua carreira no Nottingham Forest acabou porque ele era gay. Ninguém o contrataria se soubesse que ele era gay."

"Saída do armário": Fashanu admite, em entrevista ao 'The Sun', ser gay

Em 1990, depois de rodar por clubes como Brighton, LA Heat, Edmonton Brickmen, Manchester City e West Ham, Fashanu foi capa do tablóide 'The Sun'. A manchete? "Estrela do futebol de 1 milhão de libras: 'Eu sou gay'".

À época, sua entrevista foi muito mal-recebida pela sociedade e, posteriormente, foi revelado que seu irmão, John Fashanu - que também era jogador e teve carreira marcada pela passagem no AFC Wimbledon - chegou a lhe oferecer 75 mil libras para que não se assumisse publicamente.

A capa do The Sun (Foto: Reprodução)

A partir de então, Fashanu peregrinou por clubes menores, nunca conseguindo ter mais uma longa passagem por alguma equipe, e - no fim de sua carreira - foi morar nos Estados Unidos.

O fim trágico: Já aposentado, Fashanu é acusado de estupro e se suicida

Vivendo em Maryland, Fashanu estava a caminho de se tornar treinador de uma nova equipe que estava em processo de fundação nos EUA. Nunca chegou a sê-lo. Em 1998, o ex-jogador foi acusado de estupro por um jovem de 17 anos. À época, a própria homossexualidade do inglês era considerada um crime no estado em que vivia.

Segundo a denúncia feita pelo jovem em abril daquele ano, Fashanu se aproveitou de seu estado alcoolizado para manter relações sexuais com ele. Depois de ser interrogado pela polícia - e ter negado ser gay - o ex-jogador fugiu para a Inglaterra antes que pudesse ser preso.

Um mês depois, Fashanu foi encontrado morto em sua casa na Inglaterra. Ele havia cometido suicídio e explicou, em carta, que não considerava que teria um julgamento justo por ser gay e negou enfaticamente que teria abusado sexualmente do jovem.

"Eu percebi que já havia sido considerado culpado. Não quero mais ser uma vergonha para minha família e meus amigos. Ser gay e uma personalidade é muito difícil, mas não posso reclamar disso. Queria dizer que não agredi sexualmente o jovem. Ele teve sexo consensual comigo e, no dia seguinte, me pediu dinheiro. Quando eu recusei, ele falou 'espere e você vai ver só'. Se esse é o caso, eu ouço vocês dizerem, por que eu fugi? Bom, a Justiça nem sempre é justa. Senti que não teria um julgamento justo por conta da minha homossexualidade."

Hoje, Justin Fashanu segue vivo na memória dos torcedores do Norwich City e teve até um time criado com o seu nome, o Justin Fashanu All-Stars, que buscava facilitar a inclusão de homens abertamente gays dentro do futebol.

"Bond para Downs, para Padd, toca para Downs, para Bond, para Ryan, para Fashanu...oh, oh, que gol magnífico!", diz a faixa que os torcedores do Norwich usaram em jogo contra o Liverpool, celebrando o golaço de Fashanu citado no início da reportagem. (Foto: Getty Images)

O Norwich, inclusive, tem uma torcida LGBT que também costuma lembrar Fashanu. No site dos 'Proud Canaries' (Canários Orgulhosos, em tradução livre, em nome que cita o animal que está no escudo do clube), uma reportagem sobre um torneio realizado pelos torcedores no estádio Carrow Road mostra uma faixa que também homenageia Fashanu.

Membros da torcida "Proud Canaries" (Foto: Site oficial Proud Canaries)
  • Dia do Orgulho LGBT
Comentários