por ​Thayuan Leiras


O técnico Mauricio Barbieri criticou a ansiedade e os erros que levaram o Flamengo a perder por 2 a 0 para o Cruzeiro, nesta quarta-feira (8), pelo primeiro jogo das oitavas de final da Copa Libertadores, no Maracanã. O treinador lamentou o gol sofrido cedo, de Arrascaeta, e revelou que os jogadores já haviam estudado a jogada.


Alô, torcedor Rubro-Negro! Quer ficar sabendo de notícias, tabelas, próximos jogos e ainda participar de enquetes sobre o Flamengo, diariamente, pelo seu e-mail? Então, clique aqui e inscreve-se na Newsletter do Mengão! 


"O gol muito cedo deixou a gente em uma situação desconfortável. A gente deixou a ansiedade tomar conta do jogo. Quisemos decidir as jogadas muito rápido. Não tivemos paciência para circular a bola e buscar os espaços. Tivemos algumas oportunidades, mas não foi uma noite feliz", disse.


"A gente levou um gol muito cedo em um erro nosso, em uma jogada que a gente havia estudado. Isso condicionou a gente e deixou o Cruzeiro confortável o tempo todo. Não conseguimos tirar da zona de conforto. Criamos um número bom de chances, mas não fomos eficientes. O resultado é ruim e o sentimento é de frustração", completou.


O camisa 10 Diego esteve junto do treinador na entrevista coletiva e falou sobre o sentimento de frustração e até revolta do torcedor, que já escolheu alguns "culpados". Como o lateral Rodinei, sacado do time aos 40 minutos do segundo tempo para a entrada de Pará. Barbieri explicou a mudança.

d

"Nesse momento, não tem nada o que falar, e sim o que fazer. O torcedor tem feito a parte dele. Precisamos encontrar a solução. O torcedor vem para o estádio para ver o time dele e vencer. Temos que fazer isso de forma organizada. Ficamos decepcionados, como eles estão. Nossa intenção é retribuir o apoio", afirmou o meia.


"O Rodinei é um jogador que tem característica de apoiar bastante. Sempre cria muito problema para o adversário. No final do jogo, ele não estava bem e a gente precisava encontrar soluções para ao menos diminuir o placar. O Pará tem um bom cruzamento, e nós tínhamos duas referências na área. A ideia foi usar o Pará para acessar os dois dentro da área", completou o comandante.


Fotos: Thiago Ribeiro e Luciano Belford/AGIF

d

Clique aqui para receber!